divagares

Junho 13 2016

Álvaro Cunhal.jpg

 

eugenio de andrade.jpg

O dia 13 de Junho de 2005 foi implacável. Levou duas figuras ímpares da vida nacional: Álvaro Cunhal e Eugénio de Andrade.

Álvaro Cunhal deixou marcas indeléveis na política nacional e internacional e (com o pseudónimo de Manuel Tiago) uma criação impressiva na literatura a nas artes plásticas.

Eugénio de Andrade, um Homem comprometido com o seu Povo e um poeta maior, como tal celebrado pelos seus contemporâneos e, continuará a ser celebrado ao longo do tempo pelas gerações que hão-de vir.

O século 20 não é, como proclamam alguns, o século da morte do comunismo, mas o século em que o comunismo nasceu.

Álvaro Cunhal

 

Nesses dias era sílaba a sílaba que chegavas.
Quem conheça o sul e a sua transparência
também sabe que no verão pelas veredas
da cal a crispação da sombra caminha devagar.
De tanta palavra que disseste algumas
se perdiam, outras duram ainda, são lume
breve arado ceia de pobre roupa remendada.
Habitavas a terra, o comum da terra, e a paixão
era morada e instrumento de alegria.
Esse eras tu: inclinação da água. Na margem
vento areias mastros lábios, tudo ardia.

(O comum da terra, para Vasco Gonçalves, de Eugénio de Andrade)

 

publicado por divagares às 20:10

mais sobre mim
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

14
16
17
18

19
21
22
24

26
27
28
29
30


pesquisar
 
blogs SAPO