divagares

Março 19 2014

O meu Pai. O meu "velho". Que saudade eu tenho dele...

Esta é a fotografia mais antiga que tenho dele. É o primeiro à esquerda. E na vida, à esquerda sempre esteve!
publicado por divagares às 20:25

Março 19 2014

Público é de todos, privado é apenas de alguns, defendamos a escola pública!

Foi hoje lançado um apelo nacional em defesa da escola pública, que envolve representantes das autarquias locais e sindicalistas.

O prosseguimento da destruição começada, faz muito tempo e agravada pelo actual governo de Passos e Portas mais o ajudante de campo Crato, confirma que "a qualidade da escola pública em Portugal corre sérios riscos de entrar em colapso e ser desmantelada" afirmam os subscritores do apelo.

Têm toda a minha solidariedade!

 

 

publicado por divagares às 10:42

Março 18 2014

Lutaram durante cerca de um ano. Enfrentaram as forças repressivas ao serviço do poder Tatcheriano. Foi assim! E continua a ser assim! Lá, como cá! Sempre que os trabalhadores lutam em defesa dos seus direitos, o "Poder" responde à bruta.

publicado por divagares às 11:37

Março 15 2014

Há um senhor, muito conhecido por ser um senhor da televisão desde quando eu  (e ele) era gaiato, chamado Júlio Isidro. Apresentou inúmeros programas de televisão ao longo dos últimos quarenta ou cinquenta anos,alguns com muita qualidade. Sempre respeitei este senhor e o seu trabalho na televisão. Hoje, por correio electrónico, chegou ao meu conhecimento um texto de sua autoria que constitui um retrato do Portugal dos nossos dias. Abaixo transcrevo esse texto.

NÃO, NÃO ESTOU VELHO!!!!!! 
NÃO SOU É SUFICIENTEMENTE NOVO  PARA  JÁ SABER TUDO!
Passaram 40 anos de um sonho chamado Abril.
E lembro-me do texto de Jorge de Sena…. Não quero morrer sem ver a cor da liberdade.
Passaram quatro décadas e de súbito os portugueses ficam a saber, em espanto, que são responsáveis de uma crise e que a têm que pagar…. civilizadamente,  ordenadamente, no respeito  das regras da democracia, com manifestações próprias das democracias e greves a que têm direito, mas demonstrando sempre o seu elevado espírito cívico, no sofrer e ….calar.
Sou dos que acreditam na invenção desta crise.

Um “directório” algures  decidiu que as classes médias estavam a viver acima da média. E de repente verificou-se que todos os países estão a dever dinheiro uns aos outros…. a dívida soberana entrou no nosso vocabulário e invadiu o dia a dia.
Serviu para despedir, cortar salários, regalias/direitos do chamado Estado Social e o valor do trabalho foi diminuído, embora um nosso ministro tenha dito decerto por lapso, que “o trabalho liberta”, frase escrita no portão de entrada de Auschwitz.
Parece que  alguém anda à procura de uma solução que se espera não seja final.
Os homens nascem com direito à felicidade e não apenas à estrita e restrita sobrevivência.
Foi perante o espanto dos portugueses que os velhos ficaram com muito menos do seu contrato com o Estado  que se comprometia devolver o investimento de uma vida de trabalho.Mas, daqui a 20 anos isto resolve-se.
Agora, os velhos atónitos, repartem o dinheiro  entre os medicamentos e a comida.
E ainda tem que dar para ajudar os filhos e netos num exercício de gestão impossível.
A Igreja e tantas instituições de solidariedade fazem diariamente o milagre da multiplicação dos pães.
 Morrem mais velhos em solidão, dão por eles pelo cheiro, os passes sociais impedem-nos de  sair de casa,  suicidam-se mais pessoas, mata-se mais dentro de casa, maridos, mulheres e filhos mancham-se  de sangue , 5% dos sem abrigo têm cursos superiores, consta que há cursos superiores  de geração espontânea, mas 81.000  licenciados estão desempregados.
Milhares de alunos saem das universidades porque não têm como pagar as propinas, enquanto que muitos desistem de estudar para procurar trabalho.
Há 200.000 novos emigrantes, e o filme “Gaiola Dourada”  faz um milhão de espectadores.
Há terras do interior, sem centro de saúde, sem correios e sem finanças, e os festivais de verão estão cheios com bilhetes de centenas de euros.
Há carros topo de gama para sortear e auto-estradas desertas. Na televisão a gente vê gente a fazer sexo explícito e explicitamente a revelar histórias de vida que exaltam a boçalidade.
Há 50.000 trabalhadores rurais que abandonaram os campos, mas  há as grandes vitórias da venda de dívida pública a taxas muito mais altas do que outros países intervencionados.
Há romances de ajustes de contas entre políticos e ex-políticos, mas tudo vai acabar em bem...estar para ambas as partes.
Aumentam as mortes por problemas respiratórios consequência de carências alimentares e higiénicas, há enfermeiros a partir entre lágrimas para Inglaterra e Alemanha para ganharem muito mais do que 3 euros à hora, há o romance do senhor Hollande e o enredo do senhor Obama que tudo tem feito para que o SNS americano seja mesmo para todos os americanos. Também ele tem um sonho…
Há a privatização de empresas portuguesas altamente lucrativas e outras que virão a ser lucrativas. Se são e podem vir a ser, porque é que se vendem?
E há a saída à irlandesa quando eu preferia uma…à francesa.
Há muita gente a opinar, alguns escondidos com o rabo de fora.
E aprendemos neologismos como “inconseguimento” e “irrevogável” que quer dizer exactamente o contrário do que está escrito no dicionário.
Mas há os penalties escalpelizados na TV em câmara lenta, muito lenta e muito discutidos, e muita conversa, muita conversa e nós, distraídos.
E agora, já quase todos sabemos que existiu um pintor chamado Miró, nem que seja por via bancária. Surrealista…
Mas há os meninos que têm que ir à escola nas férias para ter pequeno- almoço e almoço.
E as mães que vão ao banco…. alimentar contra a fome , envergonhadamente , matar a fome dos seus meninos.
É por estes meninos com a esperança de dias melhores prometidos para daqui a 20 anos, pelos velhos sem mais 20 anos de esperança de vida e pelos quarentões com a desconfiança de que não mudarão de vida, que eu não quero morrer sem ver a cor de uma nova liberdade.
Júlio Isidro
 
publicado por divagares às 19:18

Março 14 2014
publicado por divagares às 12:14

Março 13 2014

A "velhada" que foi deste Batalhão (CCS e Comp. Caçadores 1684, 1685, 1686) na Guiné, vai novamente conviver no almoço que terá lugar no dia 5 de Abril, em Grândola, no restaurante a Guarita, situado na quinta da Guarita na Aldeia do Futuro

Os organizadores (Poiares e Bonito) decidiram este ano não enviar cartas. A mobilização está a ser feita por telefone. Pessoalmente, apelo a que cada um passe a palavra aos seus contactos.

As inscrições podem ser feitas para o Bonito (245208720), Poiares (219521633) ou directamente para o restaurante (918756236).

 

 

publicado por divagares às 14:34

Março 12 2014

Democracia Florescendo e Revolução”?  A cruel realidade é uma outra. O que está em jogo é um golpe de estado financiado pelos EUA-UE- OTAN, e isso em evidente violação da lei internacional.

 

A verdade, proibida de ser dita, é que o ocidente engendrou —  através de uma cuidadosamente encenada operação às encobertas  — a formação de um regime por procuração, regime esse integrado por Neo-Nazis.

 

Confirmado pela Adjunta Secretária do Estado Victoria Nyland, organizações chaves na Ukraina, incluindo-se aqui o partido Neo-Nazi Svoboda (Liberdade), foram generosamente apoiadas por Washington: “Nós investimos mais do que 5 bilhões de dólares para ajudar a Ukraina a atingir esses e ainda outros objectivos.  … Nós iremos continuar a promover a Ukraina ao futuro que ela merece.”

Michel Chossudovsky

 

Oleh Tyhnybok, dirigente do partido svoboda, neo-nazi

publicado por divagares às 14:11

Março 11 2014

Sou um apaixonado pela arte do azulejo. Sempre que visito um local, procuro descobrir os seus azulejos. E fico para ali a contemplá-los.

Dizem os entendidos que o azulejo é originário da Pérsia e rapidamente se espalhou por todo o mundo árabe, e daí para a Península Ibérica. O azulejo - azzelij em árabe - é, portanto, mais uma expressão da nossa rica herança árabe! Segundo os estudiosos deste tema, o azulejo está presente nas casas mais humildes, nos grandes palácios, nos templos religiosos, nos espaços públicos - espaço público que se preze tem os seus azulejos! - enfim, está por todo o lado.

Setúbal não foge à regra. Continua a ser rico o seu património azulejar. Hoje inclui no divagares os que talvez sejam os mais recentes azulejos aplicados em espaço público na nossa cidade. Trata-se da renovada estação ferroviária.

 

 

 

 

 

 

publicado por divagares às 11:14

Março 10 2014

 

Enquanto houver um homem caído de bruços no passeio
E um sargento que lhe volta o corpo com a ponta do pé
Para ver quem é,
Enquanto o sangue gorgolejar das artérias abertas
E correr pelos interstícios das pedras, pressuroso e vivo como vermelhas minhocas
Despertas;
Enquanto as crianças de olhos lívidos e redondos como luas,
Órfãos de pais e mães,
Andarem acossados pelas ruas
Como matilhas de cães;
Enquanto as aves tiverem de interromper o seu canto
Com o coraçãozinho débil a saltar-lhes do peito fremente,
Num silêncio de espanto
Rasgado pelo grito da sereia estridente;
Enquanto o grande pássaro de fogo e alumínio
Cobrir o mundo com a sombra escaldante das suas asas
Amassando na mesma lama de extermínio
Os ossos dos homens e as traves das suas casas;
Enquanto tudo isso acontecer, e o mais que se não diz por ser verdade,
Enquanto for preciso lutar até ao desespero da agonia,
O poeta escreverá com alcatrão nos muros da cidade:

Abaixo o mistério da poesia.
António Gedeão
publicado por divagares às 12:16

Março 09 2014


É preferível morrer de pé que viver de joelhos! - Dolores Ibarruri
publicado por divagares às 10:21

mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16
17

23
28



pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO