divagares

Agosto 30 2017

a cavalaria vermelha.jpeg

A Cavalaria Vermelha, de Kazimir S. Malevich, 1932

publicado por divagares às 20:27

Agosto 30 2017

autoeuropa.jpg

 Quando os trabalhadores percebem a traição dos neo-socialdemocratas que estavam na Comissão de Trabalhadores, dá nisto: Um elevado grau de consciência e de disponibilidade para a luta!

publicado por divagares às 13:03

Agosto 23 2017

 

Alentejo.jpg

Está um tempo de calma até mais não! Que é como quem diz: de calor intenso!

Recordo dias assim no meu Alentejo. Refrescavamo-nos com limonada - água mais limão mais açúcar amarelo - ou, na falta do limão usava-se vinagre.

O "frigorífico" era o poço que existia no quintal da casa materna, ao fundo do qual descia o balde com as garrafas lá dentro. Essa frescura era imbatível.

 

publicado por divagares às 12:24

Agosto 22 2017

quando portugal ardeu.jpg

É, segundo Valdemar Cruz, "uma dolorosa e inovadora descida ao inferno profundo dos bastidores da rede bombista de extrema-direita nos idos de 1975/1976."

Uma obra que vale a pena ler.

publicado por divagares às 11:33

Agosto 20 2017

Festa do teatro.jpg

 

 

publicado por divagares às 12:34

Agosto 19 2017

major_us_military_bases_near_north_korea.jpg

A Coreia do Norte nunca fez guerra a qualquer outro país!

Não tem bases militares fora do seu território!

Nunca invadiu outro país!

Nunca mexeu uma palha para que fosse para derrubar um governo de outro país!

Nunca financiou as chamadas "oposições democráticas"

O único "crime" cometido pela RPCN foi não permitir que os americanos mandem na Coreia do Norte!

Se, internamente há atropelos aos direitos das cidadãs e cidadãos coreanos, é a estes, e só a estes, que compete resolver o problema!

Ameaçada, cercada por todos os lados - veja-se o mapa acima - pelo poder imperial americano, tenta, pelos seus próprios meios, defender-se! Tem todo o direito de o fazer! Merece a solidariedade de todos os amantes da paz!

 

publicado por divagares às 12:42

Agosto 16 2017

800px-Homenagem_aos_Judeus_-_Massacre_de_Lisboa_de

 (Sérgio PT)

Poucos saberão deste trágico acontecimento.

Abril de 1506. Lisboa. Portugal.

Reinava Manoel I

Durante as celebrações da pascoa foram assassinadas mais de 2.000 homens, mulheres e crianças, pelo simples facto de serem judeus. Apesar de cristãos-novos!

Uma horda de inergúmenos instigada pelos padres dominicanos, partindo da igreja de S. Domingos, durante três dias  matou sem dó nem piedade - Garcia de Resende chega a referir 4.000 pessoas - num acontecimento que ficou conhecido como o program de Lisboa.

A causa deste crime em larga escala foi a seca inclemente que se fazia sentir em Portugal e a peste que grassava então, que os padres atribuíam aos judeus, prometendo os ditos padres a salvação dos que esfacelassem, decapitassem, queimassem judeus! Um horror! Há descrições de criminosos que exibiam preso à cintura, orelhas, mãos e até cabeças de vítimas!

Quando se passar pelo Largo de S. Domingos em Lisboa (aí está implantado um monumento evocativo), há um motivo para sentir um arrepio e vergonha!

publicado por divagares às 12:49

Agosto 12 2017

E

virão correndo

cavalgando, cavalgando

cavalos azuis negros e cinzentos

cavalos esquecidos

cavalos de todos os séculos

virão

a arrasar o que virem

tudo

homens mulheres e crianças 

e burros e raposas e cães e gatos

Virão e virão

mais e mais cavalos

e ninguém os poderá deter

nem bombas atómicas

nem gases nem química nem vírus

serão os cavalos mais fortes que existirão

cavalos que recordam todas

as injustiças cometidas e por cometer

e o homem perguntará

porquê no meu tempo

porquê em minha casa

porquê a minha família e os meus filhos

e ninguém saberá responder

os cavalos azuis, os cavalos celestes

esses serão os piores

destruirão imóveis de 200 andares

destruirão tanques e aviões

soprando sobre eles

e o presidente procurará acalmar

e os especialistas analisarão

e os televisores falarão

mas nada ajudará

virão mais e mais cavalos

de lado nenhum

cavalos que surgem de repente

defronte a pessoas caminhando pelas ruas

e tu, na cama, olharás para mim

desesperada, esperando o meu resgate

olhar-te.ei e logo me

transformarei num

cavalo vermelho

 

Moshe Benarroch

avião.jpg

 

publicado por divagares às 17:59

Agosto 09 2017

2012-09-19t215228z_55329993Operários, hora do alm

 Operários na hora do almoço. No topo de um arranha-céus.

Nova Iorque

Anos 30 do século XX.

publicado por divagares às 13:01

Agosto 04 2017

carlos-santos-pereira-jornalista-foto-ricardo-grac

O jornalista garante que, em cenários de guerra, os media são manipulados por agências de comunicação e pressionados a veicularem informação falsa.

Diz que a Alemanha está a exercer a mesma política que Hitler e que as medidas de austeridade aplicadas a Portugal e à Grécia não têm a ver com racionalidade, mas com questões ideológicas.

"Kraina, Bosnia, Kosovo representaram um ponto de viragem na história europeia, no quadro geo-estratégico e das relações internacionais, nas suas diversas componentes: políticas, diplomáticas, institucionais, legais. No caso do Kosovo, ao nível das estratégias de comunicação, operações militares, práticas políticas e diplomáticas e questões jurídicas que este conflito levantou. O conflito dos Balcãs abriu a era em que estamos agora. Na perspectiva jornalística, teve uma importância crucial. Vivi este conflito, particularmente a questão da Kraina, muito por dentro, e não apenas como observador. Deixou-me marcas muito vivas."

Sobre o Kosovo "As memórias ainda me doem tanto que não quero voltar àquelas paragens."

Kraina "Foi um genocídio, no sentido técnico do termo, feito com a cumplicidade militar e política dos EUA e da Europa, que estiveram envolvidissimos naquela operação. Temos todos as mãos sujas de sangue. Ainda me lembro de um oficial croata me dizer, pouco antes do ataque à Kraina, que as ordens eram muito simples. Ninguém podia dar um único tiro sem ser comandado pelos EUA. Foram os EUA que montaram toda a operação. A capacidade de mentir, de manipular, ultrapassou tudo o que era capaz de imaginar."

"Os editores lidam com uma série de condicionamentos: o ambiente informativo, o que a concorrência diz, as expectat ivas do próprio público. Têm uma perspectiva da informação completamente diferente da do repórter no terreno. (...) E o choque é inevitável. Queríamos denunciar e dar uma visão das coisas que não jogava com a linha da NATO  e dos EUA. E como a questão da informação era ultra-sensível naquele conflito, havia pressões enormes."

"O caso da Ucrânia é um bom exemplo. Em toda a parte, estava proibido de contar o que vi. Só publiquei a história na revista de Ciências Militares. Ao contrário do que seria de esperar, a multiplicação dos canais de comunicação e informação e o acirrar da concorrência tem o efeito de afunilamento. Nunca a informação foi tão uniforme, tão igual. A resposta à concorrência  não é tentar fazer diferente do vizinho. É garantir que eu não deixei de dar aquilo que ele também deu."

(foto de Ricardo Graça)

publicado por divagares às 10:55

mais sobre mim
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18

21
24
25
26

27
28
29
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO