divagares

Junho 19 2014

 

Mas há a noite. O estar sozinho

e no entanto acompanhado - servo de um deus estranho

cumprindo o ritual jamais completo.

 

Mas há o sono. A lúcida surpresa

de um mundo imaterial e necessário,

com praias onde o corpo se desprende.

 

Mas há o medo. Há sobretudo o medo.

fel, rancor, desconhecido apelo,

suor nocturno, rápido suicídio.

publicado por divagares às 12:30

mais sobre mim
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
20

26
28

29


pesquisar
 
blogs SAPO