divagares

Agosto 28 2014

Quando eu nasci plantava Brecht

No silêncio do exílio um castanheiro

Ao canto do pátio. O medo - crisálida

Seca - instalava-se

No rosto anónimo

Dos meus contemporâneos. Cesare Pavese

Preparava minuciosamente

O seu suicídio. O velho continente 

Apodrecia

Ao som cavo da guerra Apodrece. A Causa

Comum: em prisões, fábricas medievais, cinza

Clandestina. José

Gomes Ferreira (Quixote-se-lança-de-Portugal)

Fazia quantos anos sou agora : e cantava

Em noites de insónia insubmissa (...)

As lágrimas dos outros (...), a solidão quente

Como a camaradagem do vinho! Dentro

Da noite lusitana

Desenvolve-se o comércio de músculos / praias / minas

Coloniais.......  No ano anterior

Frederico havia sido assassinado

Em Granada; ouvia-se ainda o seu canto/pranto

Por Ignazio Sánchez Mejías : Lo demás era muerte

Y solo muerte

A las cinco de la tarde. Vendiam-se a pataco

As últimas dignidades Contemplava-se

O derramar do sangue

Em guerras imperiais  ontem, hoje ..... Pouco,

Muito pouco se aprende

Com a morte dos poetas : o exílio/a complacência

Dos poetas. Outras mortes mais austeras

(A cólera amadurece)

Varrem este mundo velho. Ah mas a memória

E o canto

Permanecem no pó dessas mortes

Silenciosas ...............

 

Casimiro de Brito

publicado por divagares às 12:03

mais sobre mim
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
16

19
22

24
27

31


pesquisar
 
blogs SAPO