Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

divagares

divagares

31
Jul13

A contumácia da senhora ministra é desconcertante!

divagares

A dona Maria Albuquerque é contumaz! Mente com quantos dente tem, e, apesar dos testemunhos doutros personagens do folhetim Swaps e das provas documentais (os tais emails...) insiste em afirmar "eu não menti!", "eu não minto!" e mais não diz...

Até o pessede Rui Rio afirma "Se vivêssemos numa democracia adulta, uma pessoa que não diz a verdade toda não podia ocupar o lugar". Não fosse este país, neste tempo cavacal/passista/portista, uma república das bananas, e onde estaria já a criatura.

 

30
Jul13

Serra da Arrábida

divagares

A Serra da Arrábida iniciou a sua formação há cerca de 250 milhões de anos, na era Mesozóica, resultante do choque entre as placas africana e eurásica que deu igualmente origem à formação do Mar Mediterrâneo, num processo longo, de centenas de milhões de anos, sendo que, tal como a conhecemos hoje, só viria a fixar-se há cerca de 20 milhões de anos, no Miocénico.

 

O que vulgarmente se designa de Serra da Arrábida, consiste numa cadeia montanhosa, cujo ponto mais alto atinge os 501 metros(no alto do formosinho), que se estende do Cabo Espichel até Palmela. Esta cadeia compreende as Serras do Risco, Arrábida, S. Luís, Gaiteiros  e S. Francisco. Situa-se na parte ocidental do continente europeu, na Península de Setúbal, concelhos de Palmela, Sesimbra e Setúbal.

 

Constitui uma linha de costa - a Sul com a foz do Sado e a Oeste e Sudoeste com o Oceano Atlântico - riquíssima em biodiversidade, com trechos escarpados esplendorosos e praias paradisíacas de areias claras. O chamado mar da Arrábida foi classificado como Parque Marinho Luíz Saldanha.

 

A presença humana está referenciada como tendo ocorrido há cerca de 500 mil anos. Há um elevado número de grutas ao longo da costa que foram utilizadas como refúgio, como santuário, como necrópole. E há grutas de uma beleza exuberante. Foram encontrados restos humanos do Homem de Neandertal (50 mil anos). A Serra foi refúgio e retiro místico de comunidades religiosas. Foi usada como atalaia em diferentes momentos da história, dispondo de importantes construções militares - castelos de Palmela e Sesimbra e forte de S. Filipe.

 

A Arrábida beneficia de um microclima mediterrânico que favorece uma actividade primária com resultado em produtos de alta qualidade e sendo determinante para a existência de uma flora diversificada, luxuriante, única no país.

 

A actual fauna da Arrábida é ainda rica de diversidade, estão identificados a raposa, a lebre, o coelho, o gato-bravo, o texugo, o toirão, o geneto, colónias de morcegos, a águia de bonelli, o bufo real, o andorinhão real, o falcão peregrino, a perdiz e uma infinidade de outras aves e insectos. Do passado restam marcas - pegadas - de dinossáurios e vestígios da sua condição gregária.

 

A Brecha da Arrábida - popularmente designada mármore da Arrábida - é uma rocha sedimentar detrítica de arenacias consolidadas, algo porosa, de cor rosada e rara beleza. Existe exclusivamente na Serra da Arrábida. Foi extraída em abundância e utilizada em muitas construções na região de Setúbal e em mobiliário doméstico. A sua extracção está interdita desde 1976.

 

Em presença de toda esta realidade, que importava preservar, foi criado por decreto-lei, em 1976, o Parque Natural da Arrábida. Passou a ser uma zona protegida, havendo mesmo algumas matas com acesso interdito. No seu perímetro, de 10.800 hectares, têm origem alguns produtos requintados como o afamado queijo de Azeitão, o generoso moscatel de Setúbal e soberbos vinhos de mesa. Em tempos muito recuados, os monges da Arrábida criaram um licor que baptizaram de Arrabidine que, suponho, ainda hoje é artesanalmente fabricado.

 

Neste contexto - de riqueza natural, patrimonial e espiritual - reveste-se da maior importância a sua classificação como Património Mundial.

 

Escarpa do Cabo Espichel

Rosa albardeira - a única vez que vi esta delicada flor, foi numa caminhada pela Serra da Arrábida

Superfície polida de Brecha da Arrábida

Gruta com lago

27
Jul13

Um copianço

divagares

"Não me apetece comentar esta porcaria toda, todas estas marias que são luíses, portas que são paulos, passos que são coelhos, cavacos que são aníbeis, e "vícios-versos", todas estas trapalhadas de mentirosos contumazes ao serviço bem pago - embora pouco seguro! - do capital financeiro,"

 

Tenho, nestes últimos dias, andado com um certo estado de espírito. Agorinha mesmo, acabo de ler o texto que transcrevo acima. E não é que descreve na perfeição aquilo que sinto?

 

O texto é da autoria de Sérgio Ribeiro, um cidadão (de corpo inteiro) que prezo enormemente.

26
Jul13

al-rábita

divagares

O topónimo Arrábida, de al-rábita, significa "convento fortificado para guardar fronteira" (Machado 1991, p. 76), isto é, um convento-fortaleza integrado numa rede de edificações simultaneamente religiosas e castrenses; a raiz semítica r-b-t está aliás na origem de vários vocábulos como arrábida, morábito, almorávida e também rebate ou arrebatar, implicando sempre a ideia de vigilância. è de facto esta a origem mais provável do topónimo.

 

Em ARRÁBIDA al-rábida, edição da AMRS.

24
Jul13

O Brasil dos nossos dias

divagares

Nestes dias em que o Papa Bergoglio, Francisco segundo a tradição vaticana, permanece no Brasil, vou dar a palavra a Romário, ex-futebolista de nomeada e actualmente identificado com as reivindicações das massas populares que invadem as ruas das principais cidades do Brasil:

23
Jul13

Prémio Nobel da Paz para Snowden

divagares

Já aqui expressei a convicção de a corajosa atitude deste jovem justificar a atribuição do Prémio Nobel da Paz. Agora surge um movimento internacional a propor isso mesmo. Apoio. Pelo contrário, não tenho dúvidas que, é por demais evidente Barak Obama não ter sido merecedor desse mesmo prémio. Está na hora de exigir ao Comité Nobel que retire o referido prémio a esse senhor da guerra e da espionagem sem limites!

Para os que queiram subscrever a campanha FOR NOBEL PEACE PRIZ TO SNOWDEN, podem fazê-lo em:

http://snowdennobel.altervista.org/

20
Jul13

Uma constatação. Apenas...

divagares

"Ando muito preocupado. Por mim, pelas gerações que aí vêm, pela malta que está a estudar e que não sabe o que é que vai fazer, pela quantidade de estagiários que trabalha a custo zero, segundo a lógica "se não queres, há quem queira". Faz-me confusão que tenhamos chegado a esta situação ao ponto de quando formos velhinhos não sabermos se vai haver dinheiro para a nossa reforma. Por isso é que digo que sou um sortudo do caraças por poder fazer o que gosto e poder dar-me ao luxo de dizer "não" a certas coisas que financeiramente seriam óptimas para mim. Sou um sortudo do caraças porque 95% da malta da minha geração não está nada bem."

 

Vasco Palmeirim

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D