Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

divagares

divagares

06
Jun09

JOSEPF HAYDN (1732 - 1809)

divagares

Decorrem este ano as comemorações dos 200 anos da morte de Haydn. Sempre me causou muita confusão fazerem-se comemorações da morte de alguém. Mas, não serei eu a propor-me "boicotar" essas comemorações que decorrem no âmbito planetário.

Incluo-me entre os seus admiradores. Haydn compôs praticamente toda a sua vida, deixando-nos uma vastíssima e notável obra - sinfonias (104), oratórias, missas, óperas, muita música de câmara.

Figura maior do classicismo, foi sem dúvida na sua época o músico mais influente. Há quem lhe chame o pai da sinfonia, Mas sobre isso, António Cartaxo (Ao Sabor da Música) esclarece que "não é criação de Haydn, mas foi ele o organizador da herança dos seus antecessores". Ou seja, situa Haydn na sua época, longe, muito longe de colossos como a nona de Beethoven ou a oitava de Mahler.

Fernando Lopes-Graça (Opúsculos 1), ao analisar a magistral contribuição de Haydn na História da Música, considerando o período que o separa de Bach e Haendel, em que se experimentaram inovações, reformas e princípios, "vieram a cristalizar na obra de um músico que sintetiza admiravelmente toda a efervescência criadora dessa época" e António Vitorino D'Almeida (Música e Variações) afirma que "Haydn é um dos mais eficazes revolucionadores da História da Música".

Rezam as crónicas que Haydn, de origem humilde e provinciana, sempre viveu alheado da vida intelectual e mundana; que esteve à beira de ser castrado aquando da mudança de voz, não fora a providencial chegada do seu pai a Viena; que tinha sentido de justiça, consciência de classe e um bom trato com os seus músicos; que teve dificuldades de relacionamento com Beethoven e o contrário com Mozart; que tinha sentido de humor e parece mesmo, alguns rasgos de irreverência e mordacidade - atente-se ao significado da sua sinfonia do  Adeus, em que os músicos, vão saindo acabando a obra com um único executante.

A propósito da sinfonia do Adeus, a saida, um a um, dos músicos, foi uma forma de Haydn, solidário com os seus músicos, expor ao príncipe seu patrão a insatisfação daqueles com o constante e prolongado afastamento das suas esposas. Segundo António Vitorino D'Almeida, essa insatisfação não era partilhada por Haydn, já que esse afastamento facilitava o não ter que aturar a chata da sua esposa, a quem costumava chamar "a besta do inferno".

Execrável foi o roubo do crânio de Haydn após ser sepultado, por supostos motivos ciêntificos - pretendia-se estudar o cérebro de uma figura genial! Tal decapitação do cadávere só veio a ser descoberta 11 anos depois, quando se efectuou a trasladação dos restos mortais, numa homenagem do seu antigo patrão. O crânio andou em bolandas de um possuidor para outro, até que em 1954 é entregue ao Conservatório de Viena. Mas não ficou por aqui, já que foi depois levado à sua Terra Natal - Rohrau - e daí para Eisenstadt a juntar-se ao resto do esqueleto.

Simplesmente mórbido!

Pessoalmente já assisti a vários concertos com obras de Haydn. Destaco a sinfonia do Adeus que teve lugar na nave da igreja de S.Julião, em Setúbal, e a Oratória As Estações, na leitura soberba de John Gardiner, não há muito tempo, na Gulbenkian, tendo como fundo por detrás da orquestra o deslumbrante jardim, que lhe deu um toque encantatório.

 

 

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D