Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

divagares

divagares

27
Jul15

A mitologia do Azeite

divagares

 

A propósito daquela "tirada" frequentemente usada pelo povo português, a verdade é como o azeite, vem sempre ao de cima, resolvi alinhar um pequeno texto que tem o azeite como sujeito.

Oliveira a luz divina, assim o dizem no cante alentejano; a verdade é como o azeite, vem sempre à tona, afirma a sabedoria popular; e a paz é simbolizada no ramo da oliveira ou a abundância que espera alcançar a família e a casa que guarde o ramo da quinta feira da ascensão que inclui o ramo de oliveira com o candeio (flor); na tradição popular assim como o trigo é o pão o azeite é a luz.

Quem diz azeite, diz oliveira, diz oliva. Falar do azeite é um azeite-de-oliva.jpgnunca mais acabar. a sua origem, as suas virtudes e aplicações, a sua importância económica. O azeite constitui um mundo fascinante.

Segundo a teoria criacionista, a tudo se atribui uma origem divina - Deus (ou os deuses) tudo criou! - não sendo excepção a oliveira. Na verdade, dá menos trabalho atribuir a um qualquer deus a criação das coisas que reflectir sobre os porquês, e, no caso do azeite nega-se ao Homem a capacidade de pensar e de descobrir que com aqueles frutos (azeitonas) consegue obter um líquido tão útil para a sua vida. Para os criacionistas, Deus criou a oliveira e dela fez brotar o azeite, depois terá  dito  ao  Homem: usa-o!

Quanto à mitologia, reza que na antiga Grécia cada cidade tinha o seu respectivo deus, que a protegia. Mas aquando da criação de Atenas entraram dois deuses em disputa. De um lado Poseidon, o deus do mar e do outro Palas Atenas, a deusa da paz e da sabedoria. Quando isto acontecia, a disputa era resolvida pela importância das oferendas. Poseidon, com o seu tridente, fez nascer um cavalo, forte e rápido. Já Atenas criou uma árvore com pequenos frutos verdes, de nome oliveira. Esta poderia produzir azeite que depois seria utilizado para iluminar a noite, para ajudar a curar ferimentos e ser usado na alimentação. A escolha foi óbvia e a cidade recebeu o nome de Atenas. E foi assim que a oliveira adquiriu o estatuto de "origem divina".

Já no Egipto tal proeza foi atribuída à deusa Ísis, enquanto na Roma antiga o foi a Minerva.

Olival.jpg

 

Azeitonas.jpg

 (desconheço os autores das fotos, que "saquei" da net sem a devida autorização)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D