Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

divagares

divagares

15
Jan15

Orientalismo

divagares

orientalismo_0595352001293646249.png

Estou a ler Orientalismo, de Edward Said. Estou a considerar estimulante este exercício de leitura. Leitura que me impõe muita concentração para apreender o pensamento do autor. Na verdade esta é a minha forma de ler, qualquer que seja a matéria. Esta obra constitui um aprofundado trabalho da responsabilidade de um académico, que, não só nos apresenta brilhantemente uma fluência de escrita, os seus raciocínios e conceitos, como "penetra" nas obras de uma infinidade de autores orientalistas das várias épocas, sempre partindo de uma apreciação crítica, e apresenta-nos as teses destes.

Um dos objectivos do autor é deixar claro que, através dos tempos, o pensamento dos orientalistas foi, regra geral, substrato do colonialismo do Ocidente " "humano" e "civilizado" (Espero conseguir mostrar a enorme estrutura de domínio cultural e, especificamente para os povos inicialmente colonizados, os perigos e tentações que o emprego desta estrutura comporta para si próprios e para os outros).  Decorrias algumas décadas do seu lançamento, a obra permanece actual.

Said é um oriental (palestiniano) que foi educado no lado ocidental do mundo (EUA), um professor universitário prestigiado e respeitado, que nem por isso deixou de sentir a diferença, já que sempre assumiu a sua militância palestiniana. Afinal, sempre foi visto como o "outro" (o estorvo, nas suas palavras) embora reconheça que: Apesar de todos os defeitos e problemas, já muitas vezes apontados, a universidade americana ainda permanece um dos poucos lugares dos Estados Unidos onde a reflexão e o estudo podem ter lugar de um modo quase utópico.

Antes de "entrar" neste livro, conhecia apenas vagamente a personalidade de Edward Said, concretamente, o seu empenhamento na causa palestiniana e o empreendimento que levou a cabo com o maestro Daniel Barenboim (judeu) no domínio da música: a criação da Orquestra do Divan Leste Oeste, um projecto de Paz em que a música é o pretexto para juntar árabes e judeus, já com mais de uma dezena de anos de existência e prosseguido pelo maestro após a morte de Said.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D